sexta-feira, julho 06, 2012

Água louca da Ribeira





Água louca da Ribeira,
Que corres em cavalgada,
Porque não vais devagar?
Essa corrida é cegueira...
Não vês, nem olhas p'ra nada,
Na pressa de ver o mar!

Já corri dessa maneira,
Nas asas duma ilusão,
Na loucura de chegar...
Fui deixando pela ladeira,
Pedaços do coração,
Beijos loucos, sem amar!

Vida que foste vivida
A correr tão velozmente,
Paraste à beira do mar...
Agora, vives perdida,
São saudades, o que sentes,
Por não poderes regressar 


Armando Varejão